sábado, 27 de abril de 2013

HOMILIA PARA O QUINTO DOMINGO DO TEMPO PASCAL



Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

          A 51ª Assembleia Geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) testemunhou ainda mais a magnífica unidade e comunhão que norteia o Episcopado Brasileiro. É lindo ver como os nossos Pastores se querem bem, se amam e buscam apontar caminhos de novo ardor missionário para seus rebanhos, suas Igrejas particulares, cada uma com suas características, desafios e sonhos diferentes, porém, com igual entusiasmo da vivência de uma mesma fé. “Comunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia” foi o tema central daqueles dez dias de Assembleia, Encontro de Irmãos, Sucessores dos Apóstolos, que buscam viver os conselhos do Evangelho de São João deste domingo: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13,34b-35).
          Oxalá tal testemunho seja seguido por todos nós, Comunidade de Comunidades, convidados a repensarmos, convertermo-nos e tornarmo-nos verdadeiramente uma NOVA PARÓQUIA: acolhedora, descomplicada, presente na “periferia do mundo”, que é também, a proposta de nosso amado Papa Francisco!
          “Sendo o tempo pascal como ‘se fosse um só dia de festa’, nos é dada a oportunidade de compreender e experimentar melhor o amor de Deus que Jesus revela por meio dos ritos litúrgicos e que devem alcançar a totalidade da vida de seus discípulos. Neste período, oportunamente, a Igreja é convidada a portar-se como Cristo Ressurreto, porque está imbuída do seu Espírito. Com razão, Tertuliano chamava atenção para o fato de que estes cinquenta dias que se estendem, desde a Vigília Pascal, chama-se ‘Pentecostes’, pois seu Espírito, que é amor, foi derramado no coração dos fiéis. E para estes, durante este tempo, não cabe nenhuma atitude ou gesto de tristeza.
          “Deus nos reúne em nome de Cristo e nos encoraja a concretizar o sonho do novo céu e da nova terra. Este é o desejo de todos os que aspiram a um mundo sem injustiça, onde cada pessoa se sinta plenamente realizada. Fortaleçamos, nesta liturgia, os laços de amor que nos identificam como comunidade de discípulos (a exemplo de nossos Bispos) e discípulas de Jesus.
          Assim como fizeram as primeiras comunidades, vamos escutar a palavra de Deus e nos comprometer com sua proposta. Ela aponta para um novo mundo, sem tristeza nem dor, e conclama a todos para a vivência do amor.
          A comunidade se organiza para enfrentar as dificuldades e avalia a sua caminhada. Ao se despedir, Jesus deixa à comunidade o novo mandamento do amor. A comunidade fiel e perseverante procura concretizar a ‘nova Jerusalém’, dom de Deus.
          A verdade do amor que é o sacramento dos irmãos e irmãs, torna autêntico e frutuoso o sacramento eucarístico do pão e do vinho’ (cf. Liturgia Diária de Abril de 2013 da Paulus, pp. 83-85).
          A página do Livro do Apocalipse de São João nos apresenta um trecho em que se anuncia a superação de toda tristeza, porque há um novo céu e uma nova terra como ‘chão’ e ‘tenda’ sobre os quais repousará a humanidade descansada e feliz. Este desejo de felicidade, tranquilidade e paz habita o nosso mundo. Quantos e quantas não se esforçam por criar condições reais de segurança para que seus filhos e filhas possam brincar e ser felizes! Desde os mais pobres até os mais abastados, a busca por uma vida boa é uma constante na vida. Os meios para que se realize tal desiderio, no entanto, nem sempre são os mais condizentes com o Evangelho. Há os que se corrompem e afanam aquilo que não lhes pertence, e está designado para o sustento e promoção do povo, como o fizeram aqueles do famoso caso do mensalão ou aqueles políticos tidos como ‘ficha suja’. Homens e mulheres desta categoria pertencem a um mundo que já não existe segundo a Páscoa do Senhor, pois por meio desta não há lugar para sofrimento e dor. O que existe é uma nova cidade que despontou com Deus e participa de seu beneplácito, porque promove a justiça e a fidelidade à aliança. Há quem faça objeções a esta verdade de fé, apontando os sinais de morte que se espalham ao redor. Mas, sabemos que esta verdade se cumpre à medida que o amor de Cristo habita os cristãos e dá contorno à sua existência. É preciso que este amor tenha a proporção do amor de Cristo, pois toda injustiça surge quando o amor tem nossa medida” (cf. Roteiros Homiléticos  da Páscoa de 2013 da CNBB, pp. 54-59).
          Todo cristão é um “outro Cristo”, motivo pelo qual sempre deveria agir como o próprio Cristo age nas mais diferentes circunstâncias de nossas relações. Não podemos admitir que entre nós, existam pessoas passando fome, sendo exploradas e judiadas, especialmente por quem exerce algum serviço, seja eclesial, político ou social. Nosso amado Papa Francisco deseja uma Igreja pobre para os pobres! Saibamos seguir seu bom exemplo. Comecemos a revestir-nos de maior humildade, desprendimento, simplicidade e de profunda ternura: cristãos todos e todos os cristãos, nas diversas missões de serviço gratuito pela construção de um Reino de Deus alicerçado no amor, na verdade, na justiça, na liberdade e na PAZ!
Desejando-lhes copiosas bênçãos, com ternura, meu abraço fiel e amigo,
Padre Gilberto Kasper
(Ler At 14,21-27; Sl 144(145); Ap 21,1-5 e Jo 13,31-35).



sábado, 20 de abril de 2013

HOMILIA PARA O QUARTO DOMINGO DO TEMPO PASCAL


DOMINGO DO BOM PASTOR
DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES
Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!
“Eu sou o bom pastor, diz o Senhor;
eu conheço as minhas ovelhas e elas
me conhecem a mim” (Jo 10,14).

            “O quarto Domingo da Páscoa é tradicionalmente chamado de Domingo do ‘BOM PASTOR’. O título tem razão de ser, pois as leituras e as orientações nos levam a contemplar Jesus como o Bom Pastor, aquele que dá a sua vida pelas ovelhas. Na Páscoa, esse mistério é ainda mais acentuado quando se considera a morte e ressurreição do Senhor como a suprema doação da vida do Filho de Deus para a salvação do mundo.
          Mas, a oferta que Jesus faz de sua vida se prolonga na vida de muitos homens e mulheres que se entregam pela vida dos outros, doando-se abnegada e gratuitamente por causas das quais poderiam se eximir. Entretanto por decisão livre, por solidariedade, por reconhecimento de tudo o que são e possuem, movidos pelos impulsos do Espírito, religiosos ou não, fazem da sua existência um serviço de amor capaz de gerar vida nova e, em muitos casos, salvação.
          A Eucaristia é lugar privilegiado de reconhecer esses sinais do Ressuscitado espalhados na sociedade e no mundo. Ela nos abre os olhos e os ouvidos para contemplar a misteriosa ação de Deus na história, projetando a luz da fé sobre as coisas bonitas que a televisão, os jornais, e a cultura atual não querem mostrar. O cristão, que vive da vida nova do Ressuscitado, rompe com os esquemas que aprisionam a vida que Deus ofereceu para todos em seu Filho. Com a força e a coragem do Pastor, lutam pela universalidade da salvação que não ficou aprisionada nem à cruz e nem ao sepulcro.
          ‘Neste domingo somos convidados por Jesus, Bom Pastor, a fazer parte do seu rebanho e aprender dele o jeito de ser Igreja. Ele sustenta nossa vida, e suas palavras nos dão segurança: nada poderá arrebatar-nos de sua mão.
          A palavra de Deus não conhece fronteiras. Ela chega a todos os povos e nos reúne em torno do Ressuscitado, doador da vida eterna a quantos escutam a sua voz e o seguem.
          A palavra de Deus alcança a todos os que se deixam orientar por ela. Jesus, o verdadeiro pastor, doou sua vida para que todos tenham vida plena. Jesus é o Cordeiro imolado e o pastor que conduz todos às fontes da água viva’ (cf. Liturgia Diária de Abril de 2013 da Paulus, pp. 66-69).
          Dois aspectos enriquecem a vida cristã neste domingo: a comunhão e a doação de si. Jesus entra em comunhão com o seu rebanho e se doa voluntariamente pela salvação dos seus. Essa comunhão e autodoação têm sua fonte no amor entre o Pai e o Filho. Comunhão e autodoação é o modo de ser de Deus. Por meio de Jesus passa a ser o modo de ser dos cristãos. Por isso, a vida cristã não se afirma na indiferença, na distância ou na separação, mas no amor. Aquilo que para os outros é sem importância, porque não toca diretamente nossa vida, passa a ser importante, porque bebemos de uma fonte de amor. Assuntos e realidades como a fome, a violência, a dependência química, a injustiça que arranca os direitos essenciais à vida, as doenças, a corrupção, que criminosamente se propagam entre nós, são do nosso interesse e exigem ações da nossa parte em vista da vida e da salvação de todos. A experiência da ressurreição não pode ser entendida como graça particular, porém como missão, norma de uma vida aberta e devotada aos outros.
          Nem é necessário bancar o super herói atento aos atos criminosos ou perigos sofridos por outrem. A vida exige que trabalhemos, cumpramos nossas obrigações, façamos nossos deveres, como cuidar da casa, da família, da própria saúde, até mesmo do lazer e do descanso. Contudo, é preciso encontrar lugar para o amor abnegado, gratuito e desinteressado. Encontrar tempo para sair de si e encontrar o outro que necessita. Basta abraçar uma causa, dedicar-se a uma meta em prol de uma situação, agremiar-se a um grupo, dar sua contribuição para um mundo melhor. Quem sabe, assim, o amor de Deus se torna mais evidente a um mundo tão fechado e ensimesmado?” (cf. Roteiros Homiléticos da Páscoa de 2013 da CNBB, pp. 48-53).
Vivemos uma cultura da coisificação da pessoa. Se lhe atribuímos códigos e senhas. Não existe, porém, som mais deleitoso, do que ouvir alguém nos chamar pelo nome. Pessoalmente tenho grande dificuldade de guardar o nome das pessoas, embora não esqueça suas fisionomias. É algo que me entristece, porque é bom demais ser reconhecido pelo nome ao invés de identificado por códigos, apelidos pejorativos ou senhas. O que não suporto é o fingimento que muitas vezes disfarça nossa incapacidade de guardar na memória nomes de pessoas com quem nos relacionamos. Irrita-me profundamente quando alguém, seja ao telefone, seja pessoalmente, me peça que adivinhe quem é! Peço que se identifique de uma vez. Mas a questão de conhecer o rebanho, as ovelhas pelo nome e essas reconhecerem nossa voz é bem mais profundo e transcendente do que simplesmente lembrar o nome deste ou daquele colaborador em nossas Comunidades Eclesiais, Sociais, Políticas ou Profissionais.


‘Uma verdadeira conversão pastoral deve estimular-nos e inspirar-nos
atitudes e iniciativas de autoavaliação e coragem de mudar várias
estruturas pastorais em todos os níveis, serviços, organismos,
movimentos e associações’ (CNBB. DGAE. DOC. 94. N. 26).

          A sociedade atual, sobretudo os jovens e adolescentes, se move pela busca de figuras referenciais para sua vida. Os padrões editados pela mídia projetam modelos que condicionam as pessoas a assumi-los, por vezes com consequências nefastas. Cantores e artistas famosos, atletas bem sucedidos etc., alimentam o sonho de autorrealização, de fama e de ser um herói para milhões de indivíduos. Estes ‘ídolos’ mexem com o universo imaginário e simbólico das pessoas, sobretudo dos mais jovens.
          Jesus é o Bom Pastor, não simplesmente em oposição à figura dos pastores mercenários, mas porque valoriza e conhece suas ovelhas e é reconhecido por elas. Ele dá a vida por elas por uma opção de amor. Portanto, Jesus se apresenta à comunidade como Bom Pastor, movido pela lógica do amor e não por interesses e favores pessoais, a exemplo dos mercenários. Quem não ama sua comunidade (seu povo) até à doação de sua vida, não pode ser considerado pastor exemplar.
          O Dia Mundial de Oração pelas Vocações nos convida a rezarmos ao Senhor que envie pastores configurados com Cristo, o Bom Pastor! A começar dos Ministros Ordenados aos Agentes de nossas Pastorais, somos também convidados à conversão, à coerência e ao bom senso em nossas atividades, que devem estar sempre pautadas sobre o Projeto Evangelizador e Missionário de Jesus Cristo, o Bom Pastor! Quem não gasta sua vida pela Comunidade (o rebanho) corre o risco de compreender sua vocação como ‘meio de vida’, o que se torna geralmente um desastre. Por isso é fundamental conhecer Jesus Cristo ressuscitado e identificá-lo como o Bom Pastor a ser seguido.      Conhecer Jesus e tê-lo como modelo de vida implica conhecer seu amor e aderir ao estilo de seu agir. A mútua relação entre Jesus e os seus gera e nutre a relação de intimidade, de confiança, de diálogo, de pertença, de segurança. Não é em vão que a palavra pastoral evoca: zelo, cuidado, carinho, misericórdia, compaixão, amor, dedicação, ternura, atenção às pessoas e às suas necessidades.
ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES
Jesus, Bom Pastor, que chamastes os apóstolos a vos seguir,
Continuai chamando pessoas generosas e de mente aberta
Para que deem continuidade à missão por vós iniciada.
A messe é grande, poucos os operários:
Necessitamos, Senhor, de bons e santos pastores.
Isto vos pedimos, a vós que viveis e reinais para sempre.
Amém.
Nossas Comunidades, com razão, são cada vez mais exigentes. Sejamos Bons Pastores para elas. Sejam elas, Queridas Ovelhas para nós.

          Desejando-lhes muitas bênçãos, com ternura, o abraço amigo,
Padre Gilberto Kasper
(Ler At 13,14.43-52; Sl 99(100); Ap 7,9.14-17 e Jo 10,27-30).



sábado, 13 de abril de 2013

HOMILIA PARA O TERCEIRO DOMINGO DO TEMPO PASCAL



Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé


“O Terceiro Domingo do Tempo Pascal orienta-se à experiência da companhia do Ressuscitado que se manifesta em meio aos discípulos. O Tempo da Páscoa integra o Grande Dia Pascal, o Dia que o Senhor fez para nós. Neste período, a Igreja se deixa encontrar por seu Senhor e busca contemplá-lo e reconhecê-lo mediante os mesmos gestos que ele já realizava enquanto estava na sua companhia. A liturgia celebrada nos dá acesso a estes gestos de maneira que permaneçamos unidos a Jesus corporalmente, assumindo na história humana o posto de sacramento daquele que é Morto-Ressuscitado.
          ‘Somos convidados a reunir-nos em torno do Ressuscitado, o Cordeiro imolado que vive para sempre. A ele queremos dar graças e glorificar, pois nos alimenta com a palavra proclamada e com o pão partilhado. Desafiados pela pergunta que nos faz – vocês me amam? -, abramos o coração, para a resposta de fé e de amor.
          A Palavra de Deus encoraja os seguidores de Jesus diante dos obstáculos à missão. Ela também nos convida a reconhecer, louvar e partilhar o mesmo Cristo, que se oferece em comunhão, e nos desafia a amá-lo.
          É mais importante obedecer a Deus que aos homens. Jesus ressuscitado aparece à comunidade envolvida nos compromissos cotidianos. Cabe à comunidade cristã adorar unicamente a Deus, rejeitando toda idolatria’ (cf. Liturgia Diária de Abril de 2013 da Paulus, pp. 48-51).
          No texto-base em preparação ao 10º Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base, José Oscar Beozzo evocava a vida cristã como memória perigosa de Jesus. A Liturgia da Palavra deixa entrever esta perspectiva ao colocar-nos diante do testemunho dos apóstolos e, em especial, daquela incumbência dada a Pedro – que envolve a Igreja toda – de cuidar do rebanho que se estende para além dela mesma e se identifica com a humanidade. Por amor, os pastores da Igreja, mas também todos os seus membros, são encarregados pelo Senhor no cuidado para com o mundo. Neste trabalho que os cristãos realizam se cumpre o mandato do amor e se dá a oportunidade para que a criação inteira proclame seu ‘amém’ à vitória do Cordeiro.
          Na Palavra e na obra de homens e mulheres de nosso tempo – hoje lembrando-nos especialmente daqueles que assumem o pastoreio em nome de Cristo – ressoa a boa nova. Como não recordar de Dom Pedro Casaldáliga e a recente perseguição sofrida por conta de seu compromisso com os povos indígenas? Como não fazer memória de tantos bispos, padres, religiosas, leigos e leigas que, espalhados pelas diversas Igrejas Particulares, denunciaram nas recentes eleições municipais, os desmandos e corrupção do poder político? Nestas ações corriqueiras é que se manifesta a Páscoa de Cristo, vencendo a morte e fazendo brilhar a vida para sempre.
          Santo Atanásio afirmava: ‘Jesus ressuscitado converte a vida do ser humano em uma festa contínua’. E acrescenta: ‘a Páscoa rejuvenesce a vida dos fiéis’. De fato, somos ‘novas criaturas’ que entoam o ‘canto novo’ que consiste na ‘glória de seu nome’. A celebração litúrgica ao realizar a vida de Cristo, no coração da assembleia, lhe permite irradiar a glória do Senhor que não significa outra coisa que torná-lo manifesto ao mundo por meio da fidelidade ao seu mandato e à sua herança: o amor. Amar os irmãos, arriscar-se pela fraternidade universal, que toma forma nos pequenos gestos de carinho e solidariedade locais, revela o Nome de Deus em nós. Este nome é ‘Cristo’: Cristo em nós, fazendo-nos partícipes de sua ressurreição por causa de sua compaixão para com o gênero humano” ( cf. Roteiros Homiléticos da Páscoa de 2013 da CNBB, pp. 42-47).
          Há alguns dias alguém me perguntou, se a Celebração Litúrgica na Igreja é lugar de avaliar o Governo Municipal? Na medida em que a Palavra de Deus nos interpela a falarmos sobre nossa missão de servidores, e não senhores ou donos dos munícipes de uma Metrópole como é a cidade de Ribeirão Preto, não só podemos, como é nosso dever colaborar na formação de consciência crítica, ética e de cidadania de nossas assembleias celebrativas. Foi exatamente esta a missão que o Ressuscitado confiou aos seus discípulos e hoje a cada um que se sente cristão comprometido com o Reino de Deus, que é um Reino de Justiça, de Conversão, de Misericórdia e de Amor ao próximo. Enquanto houver um só cidadão de nossa cidade carente dos cuidados evangélicos que o ser cristão exige, teremos a obrigação de levar nossas celebrações espirituais à vida hodierna, da porta da Igreja para fora. O Governo que é transparente, que não maquia recursos econômicos e projetos de qualquer natureza, não teme que alguém faça uma lúcida, consciente e crítica avaliação de sua atuação.
          Triste mesmo foi constatar que no dia 2 de abril de 2013, nosso Legislativo decepcionou mais uma vez seus eleitores. Nove dos vinte e um vereadores foram fiéis e coerentes com o Projeto de Transparência vetado pela Prefeita Municipal, que pedia maior participação da Câmara de Vereadores nas licitações de volumosos valores. A Prefeita entende que deve ter “Carta Branca” para contratar quem quer que seja sem a apreciação e aprovação dos Vereadores. O Projeto foi aprovado por unanimidade pelos 21 Vereadores. Não entro em questões de quem tem razão. Certamente a Prefeita assegurou seu veto juridicamente, lembrando que o jurídico mesmo sendo politicamente correto, nem sempre é ético e contempla o bem da comunidade. Ela exerceu seu privilégio de vetar a maior participação do Povo representado pelos Vereadores eleitos pelo mesmo Povo. O que nos entristece profundamente e nos decepciona novamente, é que dos 21 Vereadores, apenas 9 mantiveram coerência, votando contra o veto da Prefeita. 10 não votaram contra, nem a favor: se abstiveram de votar, o que demonstra ainda mais claramente, de que não merecem nossa confiança. Um precisou ausentar-se durante a votação para socorrer a esposa e outro faltou à sessão. O que o cristão comprometido com o Ressuscitado e a missão que nos confia, deve pensar e fazer? Marcar bem o nome dos Vereadores que voltaram à trás de seu voto inicial; cobrar pessoalmente deles uma postura mais ousada e corajosa e ter o zelo e cuidado de nunca mais elegê-los para SERVIÇO NENHUM!
          Durante a Campanha Eleitoral o discurso é um: promissor! Na diplomação dos Eleitos, o discurso já “amarela” um pouco e depois da posse, o discurso já não é mais nem um e nem outro. A verdade não se deixa burlar, comprar, corromper e nem está à venda por conta de promessas não cumpridas. Só participa da ressurreição do Senhor quem for coerente sempre entre o que pensa, fala e faz! Portanto, é sim missão e serviço à fraternidade e à promoção da Dignidade Humana, da Igreja de Jesus Cristo Ressuscitado, começando por seus líderes e passando por cada um que se atribua a denominação de Cristão. O resto está fadado a ser diabólico, como diabólicas são as deslavadas Mentiras que ocupam nosso vocabulário politiqueiro, todos os dias! Sejamos honestos e transparentes diante de nós mesmos, de Deus e dos outros. Assim não precisaremos temer a ninguém e a nada que tente nos  desestruturar. O que é Deus não cai. A mentira nos trai!
          Desejando-lhes muitas bênçãos e que todos saibamos usufruir dos aromas que exalam do sepulcro vazio, devolvendo-nos a paz que o pecado nos rouba, com ternura e gratidão, meu abraço sempre amigo,
Padre Gilberto Kasper
(Ler At 5,27-32.40-41; Sl 29(30); Ap 5,11-14 e Jo 21,1-19).



quarta-feira, 10 de abril de 2013

A intimidade com Nosso Senhor será muito facilitada por meio de uma profunda devoção a Maria



A propósito dos fundamentos da vida interior, não podemos tratar da ação de Cristo, mediador universal, sobre o seu corpo místico, sem falar da influência de Maria Medianeira. 

Vários, dizíamos, se iludem, pretendendo alcançar a união com Deus, sem recorrer, constantemente, a Nosso Senhor, que é o Caminho, a Verdade e a Vida. Haveria, igualmente, um erro em querer chegar a Nosso Senhor sem passar por Maria, que a Igreja chama, em uma celebração especial, de Medianeira de todas as graças. (...)
 

Sem chegar a este desvio, há católicos que, certamente, não acham necessário recorrer a Maria para chegar à intimidade do Salvador. O Bem-aventurado Grignion de Montfort fala até mesmo de "Doutores que só conhecem a Mãe de Deus de forma especulativa, seca, estéril e indiferente; eles temem que as pessoas abusem da devoção à Santíssima Virgem, o que seria uma injúria a Nosso Senhor, a de honrar excessivamente a sua santa Mãe. Se falam da devoção a Maria, não é para recomendá-la, mas simplesmente, para aniquilar os abusos que são feitos em relação ao suposto exagero; eles parecem acreditar que Maria seja um impedimento para se alcançar a união com Deus.
 

Diz o Bem-aventurado Monfort que é falta de humildade negligenciar os mediadores que Deus nos deu para nos auxiliar em nossa fraqueza. A intimidade com Nosso Senhor, na oração, nos será bem facilitada, por meio de uma verdadeira e profunda devoção a Maria.


Padre Reginald Garrigou-Lagrange, OP,
 
As Três Idades da Vida Interior, cap. VI Editions Le Cerf, 1938

sábado, 6 de abril de 2013

HOMILIA PARA O SEGUNDO DOMINGO DA PÁSCOA






Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

            O Segundo Domingo do Tempo Pascal nos introduz no Tempo em que  celebramos a ressurreição do Senhor, como único e grande dia, que se estende desde o Domingo da Páscoa ao domingo de Pentecostes. “Os cinquenta dias entre o domingo da Ressurreição e o domingo de Pentecostes sejam celebrados com alegria e exultação, como se fossem um só dia de festa, ou melhor, como um grande domingo” (Normas Universais ao Ano Litúrgico e Calendário Romano Geral, n. 22).
            Celebramos o domingo da Divina Misericórdia, instituído por João Paulo II,  Beato, e damos graças ao Senhor por seu eterno amor por nós, disposto a nos perdoar, sempre que nosso coração arrependido volta-se para ele.  Escolhi como lema de minha Ordenação Presbiteral, a quinta Bem-aventurança do Sermão da Montanha de Jesus: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5,7), justamente porque não obstante meus incontáveis limites, o Senhor me quis Sacerdote, tamanha Sua Misericórdia por mim! Como Tomé, exclamamos maravilhados: “Meu Senhor e meu Deus”.  Desde criança aprendi que a profissão da fé de Tomé seria a ideal, cada vez que fizesse a genuflexão diante do Cristo Sacramentado, seja na Hóstia Consagrada exposta, seja escondida no Sacrário. Por isso, quando coloco o joelho direito no chão, em sinal de adoração ao Senhor presente no mistério de nossa Fé, a Eucaristia, digo com a poesia de meu coração: “Meu Senhor e meu Deus”. Também quando ergo Jesus transubstanciado de um pedacinho de pão em Seu Corpo e de um pouquinho de vinho no Seu precioso Sangue, meu coração remete aos meus lábios a mesma expressão: “Meu Senhor e meu Deus!”.


O primeiro encontro de Jesus ressuscitado com seus discípulos é marcado pela saudação feita por Ele: ‘A paz esteja convosco’. Por duas vezes o Ressuscitado deseja a paz a seus amigos. Em seguida, os envia em missão, soprando sobre eles o Espírito. Buscar e construir a paz é missão dos seguidores do Ressuscitado, pois o Reino de Deus, anunciado e realizado por Jesus e continuado pelas comunidades animadas pelo Espírito, manifesta-se na paz. Reino de Justiça, Paz e Alegria como frutos do Espírito Santo. O Apóstolo, amigo de Jesus, ressalta que a paz, para ser autêntica, deve ser trazida pelo Cristo. Uma paz diferente da paz construída pelos tratados políticos. Paz (é shalom) significa integridade da pessoa diante de Deus e dos irmãos. Significa também uma vida plena, feliz e abundante. Paz é sinal da presença de Deus, porque o nosso Deus é um ‘Deus da Paz’ (Rm 15,33). Paz significa muito mais do que ausência de guerra. Significa construir uma convivência humana harmoniosa, em que as pessoas possam ser elas mesmas, tendo o necessário para viver, convivendo felizes.
            A comunidade, que abre suas portas, acolhe o Senhor e o segue é enviada pelo Espírito do Ressuscitado a testemunhar o amor do Pai, isto é, a prolongar, no curso dos tempos, a oferta da vida que, em Jesus, Deus fez à humanidade. O reino da vida que Cristo veio trazer é incompatível com as situações desumanas em que vivem mergulhados milhões de seres humanos. ‘Como discípulos e missionários, somos chamados a intensificar nossa resposta de fé e a anunciar que Cristo redimiu todos os pecados e males da humanidade’ (Documento de Aparecida, n. 134).
            O cristão isolado (ausente da comunidade) é vítima do egoísmo e exige provas para crer. É na vida da comunidade que encontramos as provas de Jesus que está vivo. Ser cristão, hoje, requer e significa pertencer a uma comunidade concreta, na qual se pode viver uma experiência permanente de discipulado e de comunhão. Por esta razão, a marca registrada deste Segundo Domingo da Páscoa é a , vivida em comunidade, justamente no ANO DA FÉ. É em comunidade que se realiza o encontro com o Ressuscitado e a experiência de uma vida nova (cf. Roteiros Homiléticos  n. 21 da CNBB).
            “No tempo da Páscoa, a comunidade cristã tem a oportunidade de aprofundar o evento da salvação, cuja memória desponta de modo pungente na liturgia desse tempo.
            Convém chamar a atenção para o fato de que a vida nova não está isenta de dificuldades. O cristão não é tirado do mundo pelos sacramentos que celebra, mas situado nele de uma maneira especial: como comunidade que aponta e evoca uma realidade nova, mostrando aos demais que a salvação alcançada em Cristo se realiza e se prolonga naqueles que aderem a Ele (). Pela comunhão com os irmãos, pela promoção da justiça e da libertação, pelo cultivo de utopias e esperanças de vida e de inclusão, a comunidade dos fiéis torna-se sinal da Páscoa, sinal da vida nova que Deus quer e preparou para todos. É possível enumerar vários acontecimentos que confirmam a convivência entre a realidade e a realização da Páscoa e os fatos e situações que indicam a direção contrária: violência, medo, fome, miséria, desastres, corrupção e maldade de todo tipo. Contudo, o fiel é chamado a ver além e através dessas realidades: a vitória de Cristo sobre a morte é também vitória sobre o pecado do mundo e seus efeitos. Os males que atravessam a nossa existência se tornam para os que veem, pela fé, sinais da realidade maior e melhor.
            ‘Os sinais da ressurreição alcançam multidões e suscitam a fé. A palavra de Deus nos mostra que o Senhor é presença, permanente na comunidade cristã e ele nos deixa o dom da paz e da reconciliação.
            O movimento de Jesus vai crescendo graças a comunidades generosas e comprometidas. A comunidade fiel a Jesus vive e propaga a paz e a reconciliação. Jesus ressuscitado anima e sustenta a comunidade fiel a ele’ (cf. Liturgia Diária de Abril de 2013 da Paulus, pp. 30-33).
            Em tempos de ofertas religiosas de mercado, os espetáculos e as manifestações milagreiras tendem a desenraizar a experiência de Deus. Valem as ‘curas’, os choros, os arrepios, as emoções movidas por supostas adivinhações ou ‘revelações’ misteriosas. Ninguém olha para as próprias feridas e para as feridas alheias para reconhecer a vida secreta que nelas habita. Os obstáculos e desafios não servem mais para fortalecer e serem abraçados como cruz do discipulado. São evitados. Aceita-se a indiferença, sem qualquer perspectiva de solidariedade, de profetismo, de luta em vista de uma transformação. A Páscoa nos convida para algo mais: para a luz que brilha na noite, para a palavra que recria, para vida que emerge das águas, para o pão que cria vida ao ser partido. A fé está enraizada na vida; na existência faz seu húmus. A ressurreição eleva aquilo que a encarnação assumiu” (cf. Roteiros Homiléticos da Páscoa de 2013 da CNBB, pp. 37-41).
            Acolhamos o dom da paz e do Espírito que nos constitui em artífices de relações novas, reconciliadas e fundadas na justiça e na misericórdia.
            Desejando a todos muitas bênçãos, com ternura e gratidão, o abraço amigo,
Pe. Gilberto Kasper
(Ler At 5,12-16; Sl 117(118); Ap 1,9-13.17-19 e Jo 20,19-31).



quarta-feira, 3 de abril de 2013

Entrada do Anjo em casa da Santíssima Virgem


A vitória da misericórdia

Já a doce compaixão triunfou na mente de Deus; e a paz confortadora acalmou o seio irado do Senhor. Já a concórdia afável cancelou as inimizades passadas e um amor cheio de paz afugentou as contendas da justiça.
.
Já o Deus de bondade esquece as iras de outrora e no seu olhar misericordioso afaga a pobre raça humana. Reconheceu, por fim, que a semente lançada à lama só pode gerar amálgama de pó estéril, e que os sentidos, esporeados pela paixão, correm para o mal e rastejam como onda preguiçosa.
.
As entranhas do pai soem compadecer-se do filho e quando este erra não o punem largo tempo com crueza. Tal é a doce piedade, que desarma o Eterno Pai, sempre que vem de envolta com o furor da justiça. Para tão longe arremessou de nós os acervos de nossos pecados e os males devidos aos crimes que cometemos quanto se afasta do alto céu a terra e dista do ocidente a região da aurora.
.
Já as verdes esmeraldas adornam o sólio celestial, os palácios altaneiros rebrilham com o fulgor do jaspe. O arco-íris circunda o trono da divindade com um véu resplandescente e com suas cores variegadas orna a sede da luz.
.
Já nasce para o mundo a esperança da próxima salvação, de braço dado à paz imperturbável. O céu se esposa com a terra, a altura com o abismo, e esses desponsórios serão eternos!
Um olhar sobre Nazaré
Estando Deus para mandar do céu o Filho unigênito para que se fizesse homem nas entranhas da Virgem Imaculada, cravando sobre as terras da Galilea seus olhos suavíssimos, volveu-os para os muros da ilustre Nazaré. Aí está uma habitação, pequena sim, mas levantada a tanta glória, que há de competir com o palácio dos céus.
.
Contente nos poucos palmos do seu lar, habita nesta casa uma donzela, que será em breve maior qeu o firmamento. Aí ela se esconde humilde e sem nome na terra, e contudo a amplidão do espaço ainda não viu claridade maior.
.
Ela guarda intactos os selos lacrados da pureza e há de gerar no augusto remanso do seu seio a Deus imenso. Cerradas as portas, guarda perpétuo silêncio quem com poucas palavras há de trazer a salvação do mundo.
.
Quem, pergunto, quem és tu, mulher, para que o céu te reserve tanta grandeza? Quem é teu esposo e qual teu nome? Teu esposo é José, cuja linhagem descende diretamente do grande Davi. Ele é teu esposo, a ti unido como a verdadeira esposa; contudo, não conhece teu leito virginal: pois gravou em seu peito de diamante o voto inviolável de florir a teu lado em castidade eterna.
.
O direito a teu leito virginal servirá tão somente para fazê-lo herdeiro de tua glória. Ele será chamado pai de teu Filho e gererá os passos do que governa o turbilhão dos mundos.
.
Tão excelsa és tu, e assim te escondes? Teu nome glorioso Virgem Maria, há de ressoar desconhecido entre quatro paredes? Tu, a cidade santa, construída em píncaros de montes, hás de ocultar moradas tão altas como o céu? Permanecer na sombra o disco fulgurante deste róseo sol? Velar a face luminosa esta lua sem mancha?
.
Furtar-se à vista, quando inflamado em chamas resplandecentes, o candelabro iluminado em meio dum palácio? Em vão, em vão te escondes, cidade altaneira, sol radiante, lua esplendorosa, chama vivaz! Se te ocultas à terra, o céu bem te conhece! Trair-te-á a luz dos astros, a luz do próprio Deus!
“Ave Maria”
Eis que das ameias celestes despede o Senhor ao mensageiro alado com o cofre dos seus segredos: “Vai, lhe diz, à arca incorruptível que encontrei depois de tantos séculos: Vai saudar a Maria! Flor de intacta virgindade, ela será a mãe de meu Filho, para a eterna salvação do mundo!” Disse Deus, e o anjo, com as rutilantes asas sorve a amplidão do espaço, como a estrela da tarde se engolfa no horizonte.
Com o rosto a irradiar nobreza e formosura, o jovem aparece sob o teto virginal do teu aposento. Extasiado pelo resplendor divino do teu espírito, cai de joelhos, pronunciando estas palavras:
“Tu, Senhora, entre as mulheres, única, contentaste ao Pai celeste; Ave! Visão primeira do supremo artista! A graça divina cumulou tua mente humilde e o amor de Deus inundou teu coração puríssimo. Está contigo o Senhor onipotente que num olhar abarca as muralhas do céu, os recantos da terra, a vastidão do mar. Senhor foi ele sempre do teu coração: ele só empunha as rédeas de tua alma. A ti não dominou a culpa original nem te prostrou outro pecado algum: o onipotente Senhor te senhoreou inteira, só ele teu amor possui eternamente, só ele desfrutou o teu amor: de teu coração só ele é o confidente. Por isso a tua glória há de jorrar por toda a vastidão da terra e os altos céus hão de curvar-se aos teus mandados. Tu és a mais bendita Mãe que um Esposo tenha dado jamais ao seu amor: a mais feliz Esposa que um Pai tenha preparado ao seu amado. As mulheres te olharão com a glória última do seu sexo, primeira do seu decoro!”
Resposta do coração
http://www.adf.org.br/home/wp-content/uploads/2013/04/1984_terco.jpgQue sentimentos te invadiram o peito, que modéstia reluzia em teu semblante, Virgem humílima, quando prostrado por terra a teus pés, o mensageiro celeste te transmitia tão admiráveis novas? Permanecias imóvel, fixos no solo os castíssimos olhos, cobertas do rubor da virgindade as faces belas.
.
Perturbada por saudação tão nova tua prudência seadmira, e receosa, revolve humildemente estes problemas: “Que novas expressões me ferem os tímidos ouvidos? Que novo modo de saudar é este? Virá dos céus um tão alto cumprimento? Tanta honra a um nada, a mim tanta glória? O céu a venerar quem da própria terra é indigna?
.
A mim, tão pequenina, glória tão imensa? Nesta cidadezinha apenas se conhece a esposa do carpinteiro… na cidade esplêndida de Deus, que havia eu de ser? Eu, pobre mulherzinha, cumulada de tais dádivas, de tais riquezas?
.
A mim, tal opulência? Honrar-me-á o céu com a glória de rainha, quando apenas sirvo para escrava? Sofrerá o Senhor onipotente habitar em minha alma sem ornato, hospedar-se em meu seio tanto tempo? Com razão devo temer-me de louvor tão súbito, ciente de minha vileza, de minha miséria… de meu nada!”
O segredo da humildade
Ó Virgem, humilde, singela e prudentíssima, por que o temor da dúvida assim te agrilhoa? Justamente porque és humilde: e humilde tudo temes de tua ingenuidade: por demais ingênuo, o coração da jovem deixa-se enredar às vezes em diversos ardís.
.
Tudo temes em tua prudência: tu, ponderando tudo à sua luz, temes qeu alguma aragem de pecado te bafege a alma, e que, prestando-lhe atenção, como Eva à serpente, venhas a cair em suas malhas. Porém, nenhum laço há aqui: o céu não te engana: não há na cidade de Deus lugar para a mentira.
.
Não há aqui monstro algum que te engane em música falaz, que te cegue os olhos d’alma como à primeira mulher. Já o Senhor pôs em ti o seu olhar: do alto da esfera celeste, sua pupila descansa nas pequenezes desta vida. Quanto mais te crês indigna, tanto mais digna te ergues para o céu, e tua fronte brilha, quanto mais se esconde.
.
A simplicidade humilde e a humildade simples do teu pensar enamora o Espírito de Deus. Por que te admiras de te fazerem Rainha do céu, se estás sempre a escolher na terra o último lugar? De admirar seria se tivesses o peito entumecido de soberba e se, apesar disso, o Senhor te contemplasse. Abre, portanto, o coração confiante à mensagem celeste: quanto é de ti mais digna, tanto menos deves temê-la.
Glória e predileção
Até agora ouviste de teus louvores o exórdio apenas: falta ainda o cúmulo de tua glória. Grandes os mistérios que ouviste: agora, porém, em meio de tua perplexidade, maiores te dirá o embaixador celeste:
“Não temas, ó Maria: não há por que temer! Despe o rubor que cobre o teu semblante casto! não sou mensageiro de mundanas honras: a poeira desta terra é indigna de Virgem tão excelsa. Venho trazer-te honras que a suma sabedoria do Pai celeste a ti reservou antes da admirável criação dos mundos. Por que coras à voz do ministro de Deus que te enaltece e te abates em ouvir minhas palavras? Toda a côrte do empíreo fulgurante se curvará ao teu conspecto, rendendo-te obsequiosa submissão. Tu, finalmente, achaste a complacência do Pai supremo que te cumulou de graças inefáveis, inefavelmente! Esta graça, nosso primeiro pai perdeu-a com o pecado de morte, e perdida, buscaram-na em vão outrora nossos antepassados. Por ela suspira o céu há tanto tempo, por ela a terra palmilha o seu longo caminho de lágrimas. Achaste, afinal, esta graça, aninhada no coração indevassável do Deus da imensidade. A nenhum de nós, que te levamos a palma, por força da natureza angélica quis escolher a sabedoria eterna: Mas a ti, sobre nós todos, sublimou a graça, para o grande prodígio da redenção”.
A grande mensagem
Eis que teu seio avultará como corola que floriu e o fruto se desprenderá do ramo augusto. Chama-lo-ás com o singular e santo nome de Jesus, e terá novo brazão sua nobreza. Rei será ele de majestade suma e sua glória não terá limites. Será teu Filho o próprio unigênito de Deus e, por esse título, igual ao Pai na divindade. Dar-lhe-á o Onipotente o real trono de Davi, seu pai, depondo em suas mãos as rédeas do universo.
.
Ele regerá invicto a casa amplificada de Jacó e suas leis reinarão pelos dias sem fim. Seu poder se estenderá às extremas da terra, às mais remotas praias do oceano infindo, até onde a estrela da manhã abre o caminho ao dia e Vesper lhe fecha o cortejo, até onde os polos celestes movem os dois hemisférios. Lançará os braços imensos do seu poder até às extremidades desconhecidas do universo.
.
Legítimo herdeiro do Pai celeste, o Verbo dominará juntamente com ele o oceano dos astros. Sustentará eternamente o cetro como príncipe invicto, guiando os séculos a rolar na eternidade.”

——————–
Beato José de ANCHIETA, S. J. Poema da Virgem. São Paulo: Edições Paulinas, 1959, p.104-112.