terça-feira, 24 de março de 2009

A Virgem Maria no cerne da cultura de vida




Maria é a Mãe da Vida: Primeiramente, pela Encarnação ela acolheu em seu seio Aquele que é a própria Vida, o Verbo divino "que veio para dar a sua vida ao mundo"; em seguida, no momento da Paixão, ela acolheu, ao pé da Cruz do Gólgota, a maternidade universal abraçando cada um dos filhos dos homens, que seu Filho crucificado lhe designava, mostrando-lhe o apóstolo João: "Eis o teu filho!"... (cf. Jo 19, 26).



Maria está, pois, no cerne da cultura de vida, tanto no plano natural quanto no plano sobrenatural. Na qualidade de mãe do Menino Jesus, ela, como qualquer mãe, tem a experiência da maternidade humana e de tudo aquilo que implica o doar-se, a doação total, a educação do dia-a-dia, de uma criancinha até a idade adulta. Jesus não viveu a vida da Sagrada Família em Nazaré durante trinta anos? Na qualidade de Mãe dos homens e da Igreja, Maria exerce a maternidade espiritual abrangendo todos os que aceitam a aliança com seu Filho, por meio do batismo cristão.



Do mesmo modo, a contemplação de Maria e de José, no seio da Sagrada família de Nazaré, ilumina, com uma luz mais pura, límpida, e mais renovada, as vocações respectivas do homem e da mulher; Maria e José se amavam e mesmo que este amor fosse vivido em castidade total, eles eram casados e viviam um verdadeiro matrimônio de alma e coração. Porém, quantos obstáculos humanamente penosos poderiam ter quebrado, despedaçado tal amor!



Desde então, como não nos voltarmos, particularmente a Maria, mãe, esposa, educadora e portadora d´Aquele que é a própria Vida, especialmente no que diz respeito aos problemas que tangem à vida familiar, à educação, à acolhida da vida e do amor do casal?


A equipe de MDN
www.mariedenazareth.com

domingo, 1 de março de 2009

Quaresma, tempo de se decidir pelo Senhor!

É tempo de retomar a vida de oração: "Orai sem cessar. Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo" (I Ts 5,17-18).

Sinto que o Senhor nos quer restaurar a partir da nossa vida de oração. Não é questão de orar e cumprir umas determinações quanto à nossa espiritualidade, mas é toda uma retomada de vida em oração. Uma vida de um relacionamento pessoal com Deus. Uma vida de intimidade com o Pai, com o Espírito Santo, com Maria.

Não são simples palavras, preste atenção: é intimidade, é relacionamento pessoal, é vida. Aí está o segredo e a fonte da nossa retomada. Se formos fiéis a retomada acontecerá. Essa retomada é muito simples, é só você buscar fazer todas as coisas com Deus, em Deus e para Deus. São Paulo nos recomenda: "Orai sem cessar" (1Ts 5,17). A oração nos mantém interligados ao coração de Jesus.

Orar sem cessar é manter o coração sempre aberto em colóquio com Deus, em qualquer lugar, em qualquer tempo. Vale a pena retomar nossa vida de oração!
Convido você, hoje, a assumir a proposta do pregador dos exercícios espirituais para o Santo Padre e seus colaboradores: Quaresma é tempo de decidir-se pelo Senhor! Decidir por Ele implica fazer todas as coisas em Sua presença. Ele caminha conosco.

Quaresma é um tempo de peregrinação no interior dos nossos corações, no desejo de mudarmos as nossas atitudes, palavras, pensamentos, ajustando-nos a Jesus, nosso Mestre.

Decida-se hoje por Jesus, dispondo-se a ser melhor como pessoa, como irmão, como pai, mãe, profissional. Vamos fazer tudo por amor a Jesus.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

Com Maria a vitória é certa!

A nossa geração tem sido abatida terrivelmente pelo inimigo de Deus. O demônio, sabendo que pouco tempo lhe resta, veio sobre nós, justamente sobre a nossa geração... Por essa razão, a batalha entre a Mulher e o dragão. Para podermos ter a vitória, nós precisamos estar do lado da Santíssima Virgem.

Falar, em nossos tempos, de devoção a Nossa Senhora não é falar de uma “devoçãozinha”, não! Estamos tratando de uma questão de guerra, o próprio Deus é quem constituiu Seu exército. Ele mesmo entregou o comando a uma Mulher: a Virgem Maria. Essa Mulher está vestida de sol. Ela tem uma coroa de doze estrelas. Tem a lua debaixo dos pés. Ela é a Mãe de Deus, a Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela é aquela que nos trouxe o Salvador. A Santíssima Virgem é pobre, é simples, humilde. Mas é Ela que está na chefia desse exército.

Do outro lado, está o dragão, que foi bem descrito em Apocalipse 12: a primitiva serpente, o demônio, satanás. Aquele que quer corromper tudo. Que quer desgraçar tudo.

Não é à toa que hoje se levanta, com força totalmente nova, a devoção a Nossa Senhora! Devoção esta que é uma questão de guerra. Deus quer enfileirar, atrás dela, todos os Seus filhos: aqueles que precisam vencer a batalha contra o dragão e o seu exército. Para você ser vencedor nesta luta que está travando, – seja na espiritualidade, seja na sexualidade ou na afetividade e em todas as áreas de sua vida –, você precisa da Santíssima Virgem. Ela é a vencedora que vai à sua frente! Nenhum de nós, sozinho, vai conseguir vencer!

Em primeiro lugar, eu pessoalmente me consagrei de novo a Nossa Senhora; depois, consagrei a Canção Nova todinha a Ela. Tenha certeza de que você vai experimentar a vitória, até que o maligno seja precipitado de novo no abismo. Por fim, o Imaculado Coração de Maria triunfará. Sim! Tenha certeza da vitória dela! É a sua vitória! Diga assim: “Eu sou vitorioso com Maria! A vitória da Santíssima Mãe de Deus é a minha vitória! Eu verei a vitória de Deus! Amém!”

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib